“O que mais me entristece não é o conteúdo do que foi feito. Mas a forma de como aconteceu. Somado a isso, teve a minha saída da Seminf. Saí da pasta porque me pediram para ficar apto a disputar a eleição. E, um dia antes da convenção, não tinha conhecimento das tratativas do partido. Fiquei sabendo do desfecho e dos rumos do partido pela imprensa. Houve uma falta de sensibilidade a minha posição política. O que discutiram e aventaram comigo foi a real possibilidade de eu ser candidato ao governo do Estado. Esse foi o único ponto que eu discuti com o meu partido. Essa questão de que eu queria ser vice de A ou B jamais passou de especulação. Eu nunca tive qualquer tipo de conversa nesse sentido. Se não foi essa decisão do meu partido, eu tenho que, como homem público sensato e maduro, respeitar. Eu posso discordar dela, mas respeito. Tanto respeito que, neste momento, estou saindo do PSDB em respeito à decisão tomada. As pessoas precisam entender que, assim como eu aceito a decisão delas, elas têm de respeitar a minha decisão. Infelizmente, o partido não foi transparente comigo, como eu sempre fui dentro do PSDB e dentro da administração municipal. Eu torço pela cidade de Manaus e trabalho diuturnamente por Manaus. Dediquei-me a essa nobre missão que, apesar dos resultados positivos, teve reflexos na minha vida pessoal. Me distanciei da minha família e adquiri problemas sérios de saúde, entre os quais um pré-câncer no nariz, por conta da exposição errônea ao sol. Não foi brincadeira o que eu fiz à frente da Seminf. E me arrancaram da secretaria me prometendo um novo horizonte, o que não aconteceu. Repito, respeito a decisão tomada, assim como espero que respeitem a minha decisão e o meu posicionamento. Agradeço a todos pelo carinho e apoio. Vamos em frente”

(Visited 184 times, 2 visits today)

Comente esta matéria

Please enter your comment!
Informe seu nome aqui