A CBF anunciou nesta quarta-feira que deu início ao processo de concorrência para a venda dos direitos de mídia dos jogos da seleção brasileira.

Com o contrato de transmissão com a Globo se encerrando, a entidade vai abrir processo para interessados em transmitir as partidas do Brasil a partir de novembro até a Copa do Mundo do Catar, em 2022. Não foram anunciados detalhes, que deverão ser apresentados “em breve”.

Para viabilizar a concorrência – modelo inédito para a CBF, que há décadas tinha acordo com a Rede Globo -, a confederação contratou a agência suíça Synergy Football. Segundo a entidade, a empresa tem “vasta experiência internacional e amplo conhecimento do mercado brasileiro”.

O presidente da CBF, Marco Polo Del Nero, se disse “confiante” com o processo de concorrência. “Estamos muito satisfeitos em anunciar a Synergy Football como nossa parceira. A diretoria da CBF consultou muitas agências especializadas, fez um exaustivo processo de entrevistas e negociações e optou pela Synergy por sua experiência global e, especialmente, por sua atuação em vendas para a mídia brasileira, onde ela representou por muito tempo os principais campeonatos europeus, entre eles a Champions League”, afirmou.

O cartola também disse no comunicado publicado no site da CBF que está confiante com o processo de concorrência. “Estamos confiantes que este passo será significativo para nossa seleção e para o futebol brasileiro”, declarou

Em junho, quebrando uma regra da TV brasileira que perdurava há décadas, a CBF transmitiu por meios próprios os amistoso do Brasil diante de Argentina e Austrália, disputados em Melbourne. Na ocasião, a entidade tentou vender de forma avulsa os direitos de transmissão para a Globo, que não aceitou. Assim, a CBF acabou comprando espaço nas grades das TVs Brasil e Cultura, além de transmitir através de sites e redes sociais.

Estadão Conteúdo/OLM