mordomo-papa-bento-xvi

mordomo-papa-bento-xvi
Bento XVI e mordomo acusado de roubar documentos que expunham a corrupção na Igreja.
Nicácio da Silva*

“Dobrando-se aos poderes deste mundo, a mente deformou o evangelho da graça em cativeiro religioso e distorceu a imagem de Deus a forma de um guarda-livros eterno e cabeça-dura”. Brennan Manning

Uma foto em preto e branco, esse é o retrato definitivo de uma trágica história da humanidade. Corrupção, finanças obscuras, guerras fratricidas pelo poder, roubo massivo de documentos secretos, luta entre facções, lavagem de dinheiro. Estes teriam sido os verdadeiros motivos para a renúncia inesperada de Joseph Ratzinger (Papa Bento 16 ), que teve a coragem de expor a lama negra dos padres pedófilos, mas não o de modernizar a igreja com reais práticas cristã?

O mundo católico vivência e não é de hoje, os traumas de uma formação religiosa cercada de vergonhosa história recheada de mentiras e violências. O desrespeito para com os ensinamentos de Cristo, por séculos, teve sua inversão obscurecida por interesses particulares de certos religiosos que sempre buscaram o poder.
Evidentemente, o Papa Bento XVI, pelo peso da idade, teve a coragem de expor ao mundo com sua atitude, o que se passa nos porões podres do próprio Vaticano. O que se perceber no semblante papal é uma grande decepção, acredito, para com os buracos negros e nada espirituais nos quais a igreja está afundada.
Para os estudiosos da Igreja Católica, o Vaticano é uma alcateia enfurecida, em que a cúria protagoniza uma luta faminta e sem moral alguma a frente das instituições religiosas desde sua formação. E para permanecer no poder, fomenta delações, traições, artimanhas e operações de inteligência, somente assim, mantém suas prerrogativas e privilégios.
Segundo o meu amigo Paulo Roberto, “arderas na fogueirinha da inquisição”. Posso até ser excomungado, mas dormirei com minha consciência tranquila. Serei sempre fiel as minhas convicções acreditando que muito longe do céu e perto dos pecados terrestres, o Vaticano sempre foi um dos Estados mais obscuros do planeta.
Com as noticias divulgadas, podemos afirmar que Joseph Ratzinger foi um continuador das obras do Papa João Paulo II. Seguindo um pouco sua trajetória, notaremos que desde 1981 seguiu o reino de seu predecessor acompanhando vários textos importantes que redigiu, tais como a condenação das teologias da libertação nos anos 80; o Evangelium vitae em 95 ( doutrina da igreja sobre os temas da vida ); Splendor veritas, ( o esplendor da verdade, as duas primeiras palavras do texto em latim que intitulam a Encíclica do Papa João Paulo II). São esses os dois textos prático da visão reacionária da igreja sobre as questões políticas, sociais e científicas do mundo moderno.
A imprensa mundial lardeou por vários meses a divulgação dos documentos secretos do Vaticano, orquestrada pelo mordomo do papa, Paolo Gabriele, e muitas outras mãos invisíveis, foi uma operação sabiamente montada cujos detalhes seguem sendo misteriosos.
Tudo leva a crer, que na Capela Cistina está desenhado um inferno nas paredes pintadas com anjos, e, que existe uma conspiração para empurrar Bento XVI à renúncia e colocar em seu lugar um italiano na tentativa de frear a luta interna em curso e a avalanche de segredos.
Na realidade, temos uma Igreja capenga com uma história milenar a pontuar escândalos e crimes em nome de Deus. O que é lamentável para a humanidade.

*Perfil do Articulista: Clique aqui.
[email protected]
www.manacaemfoco.blogspot.com 

(Visited 28 times, 1 visits today)

Comente esta matéria

Please enter your comment!
Informe seu nome aqui